quarta-feira, 29 de abril de 2015

Broken Age

Há 16 anos atrás, Tim Schafer passou pela LucasArts, e participou na criação de aventuras espectaculares como Full Throttle, The Secret of Monkey Island e Day of the Tentacle. Ele apareceu o ano passado com a sua companhia Double Fine Productions e trouxe-nos para o iPad um belíssimo jogo point-and-click chamado Broken Age, que ficou esta semana completo, pois trazia apenas a primeira parte da aventura. Nele temos de viver e decidir os destinos de um rapaz e uma rapariga, naquilo que parecem ser à partida 2 jogos diferentes em 1, agora também disponível no iPhone.


O jogo começa por nos mostrar um ecrã dividido, onde podemos optar por arrancar com a aventura de Shay, um rapaz "preso" numa nave a viver o seu dia a dia no espaço com as suas rotinas infantis, ou a aventura de Vella, uma rapariga que se vê confrontada com um destino bem terrível, mas que pode não ser inevitável.

As duas narrativas acabam por estar ligadas, e percebemos isso mais facilmente se optarmos por ir alternando entre uma e outra durante o jogo, ao invés de jogar cada uma das aventuras em separado até ao final.


No lado de Shay temos um rapaz a viver uma vida solitária de rotinas infantis a bordo de uma nave, completamente protegido pelos "seus pais", ou aquele que os substitui na forma de computador de bordo da nave. As rotinas diárias são divertidas no início para nos irmos introduzindo no seu universo, e no modo de jogar, percebendo logo algum humor quando temos uma colher com inteligência artificial muito faladora, para nos ajudar a comer os cereais logo pela manhã.

As aventuras que Shay tem para viver não passam de pequenas brincadeiras, que numa primeira inspecção parecem grandes perigos, mas depressa nos apercebemos que são cenários e ambientes protegidos de forma a que nada de mal aconteça ao rapaz. A sua e a nossa curiosidade vão fazer com que tudo mude, e que este acabe por abandonar a sua zona de conforto e vá explorar um pouco mais todo o mistério que o rodeia, assim como todos os recantos escondidos da nave, e as personagens misteriosas que lá habitam.


A aventura de Vella arranca logo num dia extremamente importante, o dia em que poderá ser oferecida num sacrifício a um grande monstro, para grande honra da sua família e de toda a sua aldeia, mas ao qual ela não acha piada nenhuma, como é óbvio.

O seu espírito rebelde e inquisitivo farão com que questione este ritual ridículo, e que tente escapar a todo o custo ao sacrifício, e com isto a vir a descobrir muito mais do que estava à espera à partida. Do seu planeta terreno ao mundo das nuvens é um instante, especialmente se conseguir resolver "o puzzle" de maneira a que consiga escapar a tão terrível destino.


Trata-se de uma aventura point-and-click, espectacularmente adaptada para o ecrã do iPhone e iPad, onde teremos que tocar em qualquer ponto do ecrã para fazer com que os nossos heróis se movam até um determinado local, e onde a interação com outras personagens e objectos é muito importante para ir descobrindo que caminho seguir.

Muitos dos objectos que inspeccionamos podem ser guardados no nosso inventário, ao qual se pode aceder numa barra, e podem depois ser activados, usados em conjunto com outros objectos, ou mesmo entregues a outras personagens que estejam à nossa frente no ecrã.


Tanto estas interacções, como as conversas que vamos mantendo com outras personagens, são importantíssimas para avançar na narrativa, onde percebemos facilmente que se dermos por nós completamente bloqueados sem saber o que fazer, é porque falta fazer uma pergunta a alguém, ou experimentar usar um objecto em algum local específico, etc.

Normalmente estas aventuras são também fortemente dirigidas para os adultos, mas esta aqui é claramente virada para um público mais jovem. Não me entendam mal, eu adoro estas aventuras, e esta não é diferente, é um espectáculo visual e sonoro que só visto, mas senti falta daquele humor negro presente em outras aventuras da LucasArts. Seja como for, temos aqui vários momentos para soltar umas risotas valentes com as piadas que vão surgindo, especialmente a bordo da nave de Shay.


Como podem ver no trailer aqui em baixo, o jogo conta com uma banda sonora soberba criada por uma orquestra em estúdio, com vários actores conhecidos a darem a sua voz às personagens principais, como por exemplo Elijah Wood (Frodo no Senhor dos Anéis), o absolutamente louco Jack Black, e até Wil Wheaton (que ficou bem conhecido pela sua participação na série Star Trek: The Next Generation), entre tantos outros.

Todos aqueles que apreciam estas aventuras point-and-click irão adorar jogá-lo, mesmo que pareça um pouco infantil, e mesmo correndo o risco de ser considerado um pouco simples demais por alguns veteranos (por causa do nível de dificuldade de alguns dos "puzzles" que têm de ser resolvidos).

Para os mais jovens não há qualquer dúvida, esta é uma bela maneira de lhes apresentar o universo das aventuras point-and-click, com o seu estilo único tipo comic book interactivo, que acaba por ser original, bem interessante, e muito bonito.


Broken Age na App Store (Brasil)

Broken Age na App Store (Portugal)

Tamanho: 2.51 GB



Sem comentários :

Enviar um comentário